segunda-feira, 29 de outubro de 2012

FORÇAS DE CARÁTER E VIRTUDES (CSV)


O CSV –Character Strengths and Virtues (Forças de Caráter e Virtudes) representa o mais ambicioso projeto de pesquisa (CSV; Peterson & Seligman, 2004) do movimento da Psicologia Positiva. Diferentemente da CID-10 da Organização Mundial da Saúde, ou da DSM-IV da Associação Americana de Psiquiatria que descrevem e classificam desordens psicológicas que incapacitam os seres humanos, a CSV descreve e classifica forças e virtudes que promovem a saúde mental e o desenvolvimento humano.

A pesquisa para desenvolver o CSV começou com a leitura e análise dos textos fundamentais de todas as principais religiões e tradições filosóficas, com o intuito de se descobrir quais as virtudes valorizadas por essas diversas tradições. Foram analisadas, por exemplo, as principais tradições filosóficas gregas (Sócrates, Platão, Aristóteles, os estóicos e os epicuristas), o Novo Testamento, Santo Tomás de Aquino, o Velho Testamento e o Talmude, os ensinamentos de Confúcio, Buda, Lao-tsé, os Upanishadas e o Bushido samurai, num total de cerca de duzentos códigos de conduta e virtude. Posteriormente, pesquisas em 40 países revelaram um alto grau de concordância (cerca de 80%), entre as populações dos diferentes países, com as virtudes definidas e as forças de caráter a elas ligadas.

Relacionando as conclusões desta pesquisa com a Doutrina Espírita, verificamos que as virtudes e as forças de caráter identificadas estão coerentes com os ensinamentos dos espíritos sobre as Leis da Adoração, de Trabalho, de Conservação, de Sociedade, de Progresso, de Igualdade, de Liberdade, de Justiça, Amor e Caridade descritos no Livro dos Espíritos (LE, caps. II, III, V, VII, VIII, IX, Xe XI), bem como com a Perfeição Moral (LE, cap. XII), que as abrange e completa.

O esquema geral da CSV envolve seis virtudes abrangentes que quase todas as culturas no mundo inteiro valorizam: sabedoria, coragem, humanidade, justiça, temperança e transcendência (Dahlsgaard, Peterson & Seligman). Sob cada virtude, a pesquisa identificou forças específicas de caráter, seguindo os seguintes critérios na escolha de cada força:

Ubiqüidade – ser amplamente reconhecida em um grande número de diferentes culturas em todo o mundo.
Plenitude – contribuir para a plenitude, satisfação e felicidade humana, entendidas de uma forma ampla.
Valor Moral – ser valorizada por si mesma e não como um meio para se atingir um fim.
Não Diminuir os Outros – elevar a pessoa que a desenvolve, produzindo admiração, não inveja.
Opor-se à Infelicidade – ser um oposto óbvio do que é negativo.
Ser um Traço de Caráter – ser uma característica individual que demonstre estabilidade nas situações em geral.
Mensurável – ter sido mensurada com sucesso por pesquisadores como uma característica presente de forma diferenciada em cada pessoa.
Distinta – não ser redundante (conceitual ou empiricamente) com outras forças de caráter.
Ser um Modelo de Referência – ser encontrada de forma marcante e exemplar em alguns indivíduos.
Prodígios – aparecer de uma forma prodigiosa em algumas crianças ou jovens.
Ausência Seletiva – estar ausente em alguns indivíduos.
Institucional – ser um objetivo deliberado de práticas e rituais sociais que buscam cultivar esta força nas pessoas.

Veja a sequência desta postagem: As 6 Virtudes e as 24 Forças de Caráter

Nenhum comentário:

Postar um comentário