segunda-feira, 29 de outubro de 2012

AS 6 VIRTUDES E AS 24 FORÇAS DE CARÁTER

Veja também a 1a. parte deste texto: FORÇAS DE CARÁTER E VIRTUDES (CSV)

1. SABEDORIA E CONHECIMENTO: Forças cognitivas que promovem a aquisição e o uso do conhecimento
Criatividade e Originalidade: Pensar novas e produtivas maneiras para fazer as coisas. Uso de comportamentos criativos para a resolução de problemas. Inteligência prática para a geração de soluções inovadoras.

Curiosidade e Interesse pelo Mundo: Receptividade às experiências: interessar-se pelas novas experiências de vida, curiosidade acerca do mundo. Flexibilidade em relação a questões que não se enquadram em conceitos preestabelecidos.

Amor pelo Conhecimento: Valorização da aprendizagem e do conhecimento, ainda que não haja incentivos externos para isso. Aprender novas habilidades, assuntos e áreas de conhecimentos.

Mente Aberta: Analisar as coisas sob diversos pontos de vista, principalmente durante a tomada de decisão. Usar evidências sólidas e critérios objetivos para a decisão.

Perspectiva: Visão global e madura dos fatos, do mundo e das pessoas – o que o torna referência para outras pessoas, as quais recorrem a você em busca de uma melhor perspectiva de si mesmas e de seus problemas.


2. CORAGEM: Forças emocionais que envolvem a determinação de atingir metas superando oposições externas e internas
Autenticidade: Dizer a verdade, viver e se apresentar de maneira genuína e autêntica. Ter comportamento compatível com os próprios valores pessoais.

Bravura: Não se encolher, recuar ou fugir diante de obstáculos, ameaças, desafios, dores ou dificuldades. Postura intelectual e emocional de independência, mesmo quando isso seja impopular e difícil.

Persistência: Terminar o que começou. Quando assumir projetos difíceis, leva-los até o fim, sempre com bom humor e sem reclamações. Perseguir com determinação as metas.

Entusiasmo: Atirar-se “de corpo e alma” às atividades que assume. Ter paixão “contagiosa” em relação às atividades a que se dedica. Capacidade de se motivar e motivar/ inspirar as outras pessoas.


3. HUMANIDADE: Forças interpessoais que envolvem “ternura e fraternidade” para com os outros
Bondade: Levar os interesses dos outros seres humanos tão a sério quanto os próprios. Proteger e ajudar outros; realizar favores e boas obras para outros.

Amor: Valorizar os relacionamentos próximos e íntimos. Nutrir sentimentos profundos e duradouros e ser capaz de recebê-Ios de outras pessoas.

Inteligência Social: Conhecimento/ capacidade de perceber os motivos, temperamento e sentimentos de si mesmo e dos outros, e usar esse conhecimento para orientar o próprio comportamento.


4. JUSTIÇA: Forças cívicas que promovem uma vida comunitária saudável
Eqüidade: Tratar a todos de acordo com os princípios da equidade e justiça. Não permitir que sentimentos pessoais influenciem em decisões envolvendo terceiros. Não ter preconceitos. Ter o comportamento guiado por princípios morais solidamente estabelecidos.

Liderança: Capacidade de organizar, com eficácia, as atividades de pessoas e grupos e criar condições para que tais atividades aconteçam, administrando conflitos, educando e desenvolvendo os liderados, agindo com firmeza, humanidade e justiça.

Trabalho em Equipe: Trabalhar bem como membro de uma equipe de trabalho. Destacar-se como membro de uma equipe, ser leal e dedicado, esforçando-se pelo sucesso da equipe. Valorizar as metas e propósitos da equipe. Respeitar as posições de autoridade na equipe.


5. TEMPERANÇA: Forças que protegem contra excessos
Perdão: Perdoar aqueles que erraram ou lhe fizeram mal. Dar novas chances. Ter como princípio orientador a misericórdia e não a vingança.

Modéstia: Deixar que suas realizações falem por sim mesmas. Não se colocar em evidência. Ser despretensioso. Não acreditar que vitórias e derrotas passageiras influenciem demasiadamente o grande esquema dos acontecimentos.

Prudência: Ser cuidadoso em suas escolhas. Não fazer ou dizer coisas das quais possa se arrepender posteriormente. Informar-se bem antes de agir. Ponderação.

Auto-controle: Controlar seus sentimentos, impulsos, desejos e necessidades, quando isto é adequado.


6. TRANSCENDÊNCIA: Forças que impulsionam as conexões com o universo como um todo e dão significado à vida.
Apreciação da Beleza e da Excelência: Apreciar a beleza, a excelência e a habilidade em todos os setores: na natureza, na arte, na ciência e em todos os momentos da vida diária. A apreciação, quando intensa, vem acompanhada de surpresa e admiração.

Esperança: Esperar o melhor e trabalhar para realiza-lo. Planejar e trabalhar esperando sempre pelo melhor. Postura positiva em relação ao futuro, garantindo o bom ânimo no presente.

Humor: Gostar de rir e fazer rir. Conseguir ver facilmente o lado alegre da vida. Ter bom humor e saber se divertir, quando a ocasião assim o pede.

Gratidão: Estar consciente e grato pelas boas coisas que acontecem. Apreciar a excelência do caráter moral de alguém. Admiração, agradecimento e apreciação pela própria vida.

Religiosidade: Ter crenças sólidas e coerentes acerca do propósito maior e do significado do universo, que forneçam uma fonte de conforto e uma filosofia de vida articulada – religiosa ou não – que o situe num quadro maior de transcendência.


Referências:
APOLINÁRIO, F. O resgate do caráter: Como a Psicologia positiva colocou o caráter e as virtudes na agenda científica. Ciências & Vida Psique, edição especial n. 08, p. 44-48.
SELIGMAN, M. E. P., STEEN, T. A., PARK, N., & PETERSON, C. Positive Psychology Progress; empirical validation of Intervention. American Psychology, n. 5, vol. 60, p. 410-421, 2005 - http://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/images/apaarticle.pdf.
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos: Filosofia espiritualista. Tradução de José Herculano Pires. 5a edição – São Paulo: FEESP, 1991.

Um comentário: