domingo, 15 de janeiro de 2012

A Grande Transformação - Parte 1

Acabei de ler o excelente livro de Karen Armstrong, "A Grande Transformação: o mundo na época de Buda, Sócrates, Confúcio e Jeremias" (São Paulo: Companhia das Letras, 2008). Antes de comentar sobre o livro, falarei um pouco sobre a autora. 


Karen Armstrong nasceu na Inglaterra, em 1945, e foi freira por sete anos. Formou-se em Literatura pela Universidade de Oxford e foi professora de literatura moderna na Universidade de Londres. Leciona Cristianismo no Leo Baeck College for the Study of Judaism and the Training of Rabbits and Teachers e é membro honorária da Association of Muslin Social Sciences, uma importante instituição muçulmana. Em 1999, recebeu um prêmio islâmico, o Muslim Public Affairs Council Media Award. Em 2000, o Islamic Center of Southern California rendeu-lhe homenagem por promover o entendimento entre as três religiões monoteístas (judaísmo, cristianismo e islamismo). Em 2005, foi convidada a integrar um projeto das Nações Unidas, "Aliança das Civilizações", que visa lançar pontes entre o Ocidente e o mundo islâmico. Tem cerca de vinte livros publicados, dos quais onze no Brasil.


Na "Apresentação" do livro, Armstrong escreve que muitas das dificuldades da nossa época e de nossa civilização, como o terrorismo, a ameaça do uso das armas de destruição em massa (nucleares, biológicas e químicas) e o risco de uma catástrofe ambiental, "mascaram uma crise espiritual mais profunda". E "se não houver uma revolução espiritual à altura de nosso gênio tecnológico, é improvável que salvemos nosso planeta"! Concordo com ela.


Para que, no futuro, evitemos tragédias como "Auschiwitz, Ruanda, Bósnia e a destruição do World Trade Center", "uma educação puramente racional não será suficiente". Necessitamos mais. Necessitamos recuperar "o sentido da sagrada inviolabilidade de cada ser humano". Este sentido tradicionalmente nos era dado pela religião. 


No entanto, "praticamente todo dia nos deparamos com exemplos de terrorismo, ódio e intolerância de motivação religiosa". Por esta razão e por outras, "um número crescente de pessoas considera irrelevantes e inacreditáveis as doutrinas e práticas religiosas tradicionais e busca nas artes plásticas, na música, na literatura, na dança, no esporte ou nas drogas a experiência transcendente que parece ser necessária aos seres humanos". Porque "todos ansiamos por momentos de êxtase, quando vivemos nossa humanidade com uma plenitude maior que a habitual e nos sentimos profundamente tocados por dentro e elevados acima de nós mesmos. Somos criaturas à cata de sentido e, ao contrário de outros animais, facilmente nos desesperamos, se não conseguimos ver significado e valor em nossas vidas".


Armstrong vai buscar inspirações para a superação de nossa crise espiritual no período histórico "que o filósofo alemão Karl Jaspers chamou de Era Axial, porque foi decisivo para o desenvolvimento espiritual do gênero humano. Entre aproximadamente 900 e 200 a.C., surgiram, em quatro regiões distintas, as grandes tradições mundiais que continuam alimentando a humanidade: o confucionismo e o taoismo na China, hinduísmo e budismo na Índia, monoteísmo em Israel e racionalismo filosófico na Grécia. Esta foi a época de Buda, Sócrates, Confúcio e Jeremias, dos místicos das Upanishads, de Mêncio e Eurípedes."


No decorrer do livro, Armstrong nos mostrará que "neste período de intensa criatividade, gênios espirituais e filosóficos inauguraram um tipo inteiramente novo de experiência humana". E que esta experiência pode ser substancialmente útil a nós hoje, ajudando judeus, cristãos, muçulmanos, budistas e induístas a reavivarem e aprofundarem sua fé. Mas também estimulando ricas reflexões em ateus e agnósticos.

Leia a parte 2.

4 comentários:

  1. Interessantes estes assuntos pois aumenta o nosso conhecimento!
    Oconhecimento nos liberta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por estar ajudando na ampliação de seus conhecimentos e reflexões. Este livro também ampliou minha visão de muita coisa. E concordo, o conhecimento liberta: "conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".
      Um abraço!

      Excluir
  2. Poliana não conseguiu postar seu comentário e me enviou por e-mail, pedindo que eu o postasse:
    "Prezado Leonel,
    Sua ultima postagem me levou para uma reflexão mais profunda sobre o papel das religiões na sociedade, bem como no ponto de convergência entre elas.
    Gostei das suas conclusões finais e aguardo as próximas postagens.
    Obrigada!
    Poliana."

    ResponderExcluir
  3. Prezado Leonel,
    importante, útil e diria essencial leitura, estará em minha estante em breve.
    Quero aproveitar a oportunidade para pedir-lhe duas coisas: a sua licença para constar em meu blog de Filosofia Espírita, e também ter a alegria de poder estar em seu blog, já que v. também é nosso seguidor,
    Grata,
    Muita Paz
    Sonia Theodoro
    http://filosofiaespiritaencantamentoecaminho.blogspot.com
    www.filosofiaespirita.org

    ResponderExcluir